sábado, 26 de dezembro de 2009

Notícias

Aquário de São Paulo tem o primeiro peixe-boi exibido em aquário no mundo.


Tapajós, um peixe-boi amazônico, veio de Manaus (AM) para ser uma das atrações do Aquário de São Paulo. Será o primeiro exemplar da espécie a ser exibido ao público no mundo.
Apesar das medidas generosas, 113 kg e 2,05 m, o macho de nove anos é dócil e extremamente curioso. Ele deverá ficar em Sampa por pelo menos cinco anos. Tapajós vai viver em um tanque especialmente projetado para ele --com capacidade para 1 milhão de litros-do aquário gigante, localizado no Ipiranga, zona sul.

Lá, dividirá o lar com peixes amazônicos, como pirarucu, bagre, jaú e tambaqui. "Tapajós está em processo de adaptação", diz a bióloga-chefe, Laura Ippolito Moura, 35. "Tudo está indo bem. Ele se alimentou já no primeiro dia após a viagem." O peixe-boi está recebendo muitos mimos. Como não é fã de carne, ganha 10 kg de verdura por dia, entre elas escarola, alface e couve. Quando alguém entra no aquário, o animal se aproxima para tocar na mão da pessoa. É o sinal para ganhar uma coçadinha nas costas. 



Laura explica que essa interatividade com o animal é importante para saber se ele está com algum problema. "Assim que for condicionado, virá sempre ao nosso encontro quando entrarmos no tanque. Caso não venha, saberemos que alguma coisa está errada."
Juntar o bicho ao grupo de 2.500 peixes do aquário foi uma verdadeira façanha. Contou com o apoio do Inpa (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) e da Ampa (Associação Amigos do Peixe-Boi). Foram cerca de seis horas de viagem da capital do Amazonas até o Ipiranga, feitas em um avião climatizado e com o suporte da polícia ambiental, com direito a escolta pelas ruas paulistanas.
Durante o trajeto, Tapajós ficou em uma caixa de 2,30 m de comprimento, 1,30 m de largura e 0,80 m de altura com toalhas molhadas sobre seu corpo. "Trouxemos ele para mostrar à população do Sudeste o quanto é importante a preservação da floresta amazônica", explica Laura. "Quando as pessoas veem o bicho, entendem mais essa questão."
Tapajós foi encontrado no rio que deu origem ao seu nome, no Pará, em fevereiro de 2001.
Recém-nascido, fatalmente morreria caso não fosse alimentado. Pescadores alertaram os pesquisadores do Inpa, que imediatamente o levaram para o Laboratório de Mamíferos Aquáticos do instituto. Por sorte, foi adotado por uma fêmea - chamada Boo - que estava lactante.
Se sua adaptação à cidade der certo, ele deverá ganhar um companheiro até o final deste ano. Matupá, outro macho, é o mais cotado para embarcar rumo a São Paulo e dividir o tanque com Tapajós.


 Peixe-boi da Amazônia (Trichechus inunguis)

O Trichechus inunguis é o maior mamífero aquático de água doce do mundo, é exclusivamente herbívoro - se alimenta de plantas aquáticas e semi-aquáticas. Possuem coloração cinza-escuro, ausência de unhas nas nadadeiras peitorais, e podem apresentar manchas brancas na região ventral, essas manchas inclusive servem como uma espécie de “impressão digital” de cada animal. Para a exploração de sua carne, couro e gordura, a mais de 300 anos estes animais são caçados impiedosamente!!!! Apesar da proibição legal esses animais ainda são muito explorados para consumo e comercialização das populações ribeirinhas. A morte desses animais se dá de forma cruel, através de arpões, pauladas e até da introdução de “rolhas” de madeira, levando-o à morte por asfixia. Isso torna essa espécie UMA DAS MAIS AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO NO BRASIL.



Diversos institutos e organizações, como o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) e a AMPA (Associação Amigos do Peixe-boi da Amazônia) trabalham pesado acerca da conservação desses animais, utilizando como ferramenta à educação ambiental, principalmente através da conscientização das comunidades ribeirinhas para que não haja mais exploração do peixe-boi.

Fonte:

2 comentários:

###a.l.#### disse...

Educação Ambiental
Conselhos para Educadores Ambientais
Autor: Julis Orácio Felipe
Descrição :
A legislação ambiental brasileira é vasta. Entretanto, fazendo uma análise crítica do sistema jurídico ambiental brasileiro é possível captar-lhe a essência. Essa obra auxilia o educador ambiental a montar uma cartilha permitindo ao educando assimilar melhor nossa legislação e o caráter prevencionista do tema meio ambiente.
www.clubedosautores.com.br

seiti disse...

Eu gosto do aquário de sp, mas está ficando muito zuado, com os morcegos, tamanduá e aumentaram o preço. Falta ser mais aquário e menos zoológico, pois peixe é o que não falta.
http://www.melhorpeixe.com