terça-feira, 6 de novembro de 2007

Ciência

Pesquisa sobre diversidade de peixes no Pantanal faz última coleta

Uma pesquisa que avalia a influência do pulso de inundação do rio Paraguai sobre a riqueza, diversidade e abundância dos peixes que vivem na Baía do Tuiuiú fez nos dias 16, 17 e 18 de outubro sua 15ª e última coleta de material. O trabalho começou em abril de 2005 e vem sendo realizado no Pantanal sul-mato-grossense pela pesquisadora Emiko Resende, da Embrapa Pantanal, e no Pantanal do Mato Grosso pela professora Carolina Joana da Silva, da Unemat (Universidade Estadual do Mato Grosso).




Rio Paraguai



Emiko Resende coletou peixes, água e plantas aquáticas de ambientes inundáveis na baía, que é um braço do rio Paraguai. Ela quer descobrir como o pulso de inundação influencia na reprodução e na alimentação dos peixes. “Vamos avaliar, por exemplo, qual a função dos camalotes nessas áreas”, afirmou a pesquisadora.
Camalote é vegetação aquática que se desenvolve nos ambientes alagados dessas áreas inundáveis.



Coleta de Camalotes


O projeto é financiado pelo CPP (Centro de Pesquisa do Pantanal) e MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia) e os resultados devem ser entregues até agosto de 2008. As coletas foram feitas a cada dois meses em seis pontos da baía. A pesquisadora utiliza diferentes técnicas de coleta de material. Para pegar peixes no leito do rio ela usou rede de espera e tarrafas pequena e grande. Peixes menores foram coletados com o uso de uma tela passada sob os camalotes. Todas as espécies capturadas serão contadas e avaliadas, mesmo as que medem menos de 1 cm.
Coleta de peixes
Amostras de água dos seis pontos de estudo foram armazenadas em recipientes e levadas ao laboratório da Embrapa Pantanal (unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA). Emiko também mediu a temperatura, a transparência, o pH, a condutividade e o oxigênio da água. O trabalho foi acompanhado pelos funcionários Sidnei José Benício e Waldomiro de Lima e Silva (da Sema, cedido à Embrapa Pantanal).
Camalotes foram coletados em todos os pontos para a avaliação da presença de microorganismos em suas raízes. Desse modo, a pesquisa vai revelar como funciona a cadeia alimentar nesses ambientes. Os estômagos dos peixes estão sendo avaliados para mostrar detalhes de sua alimentação.


Pantanal em época de cheia
Emiko Resende disse suspeitar que a frente da cheia influi na reprodução dos peixes, principalmente de espécies não migradoras, como a piranha. No Pantanal norte a reprodução acontece no início do ano, quando o rio está cheio. No Pantanal sul, os peixes se reproduzem entre abril e maio, quando o nível do rio sobe.

Fonte:
Embrapa Pantanal

4 comentários:

Anderson disse...

Uma coisa é certa: o que você colocou aí é mais informação para o povo brasileiro.
Sim, por incrivil que pareça aqui em brasília vi na Embrapa daqui informações semelhantes a essas.Continue com o blog.

Nina disse...

Lindas as fotos! É importante esse tipo de pesquisa de impacto ambiental... que bom que existem financiamentos...

Angelo Sumita disse...

Notícias como estas me dão esperança de que o nosso governo não abandonou a luta pela preservação do meio ambiente!

Mas na floresta amazônica está cada vez mais difícil, infelizmente...

Lindas as fotos! Pena que o homem é tão ignorante e não sabe conviver em plena harmonia com o meio ambiente...

Parabéns pelo blog! Eu se não fosse educador físico com certeza trabalharia na área ambiental!

Abraços!


http://saudeinfinita.blogspot.com

Espero que visite e usufrua tudo que o blog tem a oferecer!

Neto Severo disse...

Olá Ricardo!

Primeiramente gostaria de parabenizá-lo pelo seu blog! Ele trata de forma maravilhosa duas áreas que eu sou apaixonado: a ictiologia e aquariofilia.

Sou peixólogo daqui de Campo Grande e trabalho com o Otávio Froehlich, mas minha dissertação foi com os peixes da Baía Tuiuiú e com a Emiko. Muito bom ver a notícia do trabalho dela por aqui.

Vamos mantendo contato, quem sabe não aparece uma oportunidade de trabalharmos juntos!

Um abraço,
Neto